Dia a dia

Posto de saúde de Sapiranga sofre com furto e vandalismo


  •   
  •  

Atrasos | Sem recursos federais, ampliação foi paralisada em maio

Região – Iniciada no final do ano passado, a obra de ampliação da Unidade de Saúde da Família (USF) João Goulart, no bairro Voo Livre, em Sapiranga, está paralisada desde maio devido ao não repasse de verbas federais. A parada da empresa responsável pela obra acabou abrindo espaço para que o local, apesar de gradeado e fechado com tapumes, acabasse se tornando alvo de furtos e depredação, o que prejudicou ainda mais os trabalhos.



Apesar da Administração Municipal já ter pago toda sua contrapartida (cerca de R$ 25,6 mil), a União enviou apenas R$ 19,7 mil (20%) de um total de R$ 98,5 mil da verba prometida através de emenda parlamentar do deputado federal José Luiz Stédile. Além disso, o Município está bancando um aditivo de R$ 26,8 mil para obras complementares da ampliação, que compreende a construção de cinco novas salas de atendimento e dois consultórios médicos.

Furtos recorrentes


A Secretaria de Saúde chegou a tirar equipamentos do local, como a cadeira odontológica adquirida em 2016, mas os ladrões, aproveitando os terrenos baldios no entorno da unidade de saúde, acabaram arrancando das paredes e levando cubas, pias, fiação elétrica e cabos para computadores, caixas de descarga, aparelhos de ar condicionado e até a estruturas de janela e porta. “O local tem cercas, muros e tapumes, mas infelizmente isso não impediu que os ladrões atacassem, aproveitando o terreno baldio pelos fundos que dá para o mato. Para impedir novos ataques colocamos vigilância noturna”, explica Leandro Batista da Costa, coordenador da Atenção Básica da Secretaria de Saúde.

Crédito da foto: Prefeitura Municipal de Sapiranga

Quer ler o restante desta notícia? Assine a edição impressa do Jornal Repercussão. Ligue para: (51) 3064-2664

Criação de Sites Porto Alegre

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Talvez você se interesse