Dia a dia Posts em destaque

Nilson Wolff, climatologista do Vale do Sinos, fala boas histórias sobre sua vida pessoal e profissional


  •   
  •  

Campo Bom – Nilson Wolff é natural de Campo Bom – onde viveu sua vida inteira – formado em Técnico de Contabilidade e iniciou sua carreira na área na Secretaria da Fazenda da Prefeitura, onde exerceu a função de escriturário por mais de quatro décadas.

Porém, Nilson, junto com a sua carreira contábil, trabalhava de maneira autônoma em uma paixão que o despertou desde cedo: medir as temperaturas e registrar o clima, na cidade onde mora e região.



Tinha seus próprios equipamentos e por conta própria, fazia as medições das temperaturas e anotava para ficar em seus registros. Uma história interessante que Nilson diz, é sobre uma vez que ele registrou uma temperatura diferente da Rádio Guaíba. E ao ligar para lá, veio a resposta. “As suas temperaturas não são oficiais e não podemos aceitar”, afirma.

A partir disso, a trajetória de Nilson Wolff na área da climatologia, começou a mudar. Pois com a resposta que teve, conversou com o prefeito da época- Karl Heiz Kopitte- para a construção de uma estação na cidade.


Nilson Pedro Wolff de 65 anos é natural de Campo Bom, se formou em Técnico de Contabilidade e trabalhou 43 anos na Secretaria da Fazenda da prefeitura, de 1975 a 2018. Porém durante todo esse período, levou junto com ele uma paixão que o despertou a muito tempo: o clima e as temperaturas.

Muito conhecido na região do Vale dos Sinos, por trabalhar na área contábil, mas também exercendo funções de climatologista, em entrevista ao Jornal Repercussão ele nos conta vários aspectos de sua vida pessoal e profissional, como a sua infância, carreira na contabilidade e principalmente sobre a meteorologia.

Nilson nasceu no bairro Primavera, assim como seus pais – falecidos- que eram naturais do mesmo local. No primário estudou no colégio Tiradentes e a pé, aproveitava que iria à escola e já praticava uma atividade física, nos 2 km percorridos. Depois fez o segundo grau na escola 31 de janeiro e em seguida se formou em Técnico em Contabilidade.
Em 1/10/1975 iniciou sua carreira na contabilidade, pela Secretaria da Fazenda. Para conseguir o seu primeiro emprego na área, ele diz. “Eu fiz concurso na prefeitura, entrei como escriturário na área de contabilidade dentro da Secretaria da Fazenda e em 1985 assumi a contabilidade. A contadora oficial se aposentou e assumi o lugar dela. Então de 1985 até dois anos atrás (2017), assinava a contabilidade na prefeitura.”

A METEOROLOGIA

Mas apesar de ter formação na área contábil, Nilson Wolff nunca deixou a meteorologia de lado e ele diz, como os registros de clima e temperaturas entraram em sua vida. “Tinha essa minha função contábil, porém eu sempre gostei de observar o tempo e registrar ele, mas como hobby. Então surgiu uma ideia de colocar uma estação de meteorologia na cidade, no início de 1983. Eu tinha termômetros caseiros que registravam as temperaturas. Às vezes eu registrava temperaturas mais altas ou baixas, que a Rádio Guaíba transmitia por exemplo.”
Nilson Wolff tinha certeza das temperaturas que media, seus equipamentos eram confiáveis e ele realizava as medições de maneira correta, pois se preparou e estudou muito para isso. Wolff declara agora o que fez, logo depois da emissora ter negado os seus registros de temperatura. “Liguei para a Rádio Guaíba e disse que registrei outra temperatura, me perguntaram se o termômetro estava em um abrigo etc. e não aceitaram porque não era uma temperatura oficial, na versão deles. Daí surgiu a ideia de instalar uma estação. Falei com o prefeito Karl Heiz Kopitte sobre isso e ele elaborou a ideia, com o pedido ao Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) em Porto Alegre e um ano depois estava elaborada a estação”.


A partir disso, iniciou na meteorologia de maneira mais séria. Com o apoio da prefeitura, que entregou um local apropriado para instalar os equipamentos, que um ano depois vieram de Porto Alegre e a estação começou a funcionar. Porém com uma exigência, Nilson recorda que deveriam ter observadores para os registros diários, para fazerem as medições três vezes ao dia, às 9h, 15h e 21h, pois caso não fosse registrado corretamente, iria interferir na média histórica das temperaturas.

Para fazer o serviço corretamente e também para poder aproveitar os finais de semana, Nilson Wolff teve uma época que possuía até quatro colaboradores, que pagava para medir as temperaturas e ele poder aproveitar o seu tempo de lazer. Mas com o avanço da tecnologia eles decidiram instalar uma estação automática, que não tinha a necessidade de possuir pessoas diariamente fazendo as medições, pois seriam realizadas a cada hora por internet via satélite.
Wolff destaca também acontecimentos do clima que estão em evidência nos dias de hoje, como o aquecimento global que algumas pessoas falam que está afetando o planeta atualmente. Porém, ele pensa o contrário quando abordado sobre isso e diz que acontece é a falta de equilíbrio. “Eu sou da corrente que não está acontecendo aquecimento global, o que está ocorrendo é que estamos perdendo o equilíbrio dos eventos, eles estão ficando cada vez mais intensos, períodos muito quentes ou muito frios, então até na Europa agora está dando uma onda de frio muito forte, pois se estivesse dando um aquecimento não estaria tão frio, não cairia tanta neve né, isso é relativo”, declara.

Nilson demonstra uma grande admiração, pelo meteorologista de Curitiba, Luiz Renato Lazinski, que trabalha no Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) há muito tempo e também considera que não está acontecendo um aquecimento global.

Nilson Wolff também enfatiza a importância das pessoas se conscientizarem de alguns aspectos, para assim vivermos em um mundo melhor, pois como atualmente temos muitos gases tóxicos que influenciam negativamente no clima, a solução seria se os órgãos públicos de nível de estado e país, se preocupassem em preservar as áreas verdes e também manterem os banhados. Para Wolff, no Vale do Sinos isso seria fundamental, pois o mesmo mantém um equilíbrio quando ocorre uma enchente, com a água partindo para um outro lugar e não prejudicando a cidade.
Para finalizar, Nilson diz sobre a integração que a estação meteorológica proporciona com o Centro de Educação Ambiental, que para Wolff é de extrema importância, pois através disso, preparam futuros colaboradores da estação, para assim manterem os trabalhos que vem sendo realizados. “Já recebi muitos alunos na estação de meteorologia e já fui várias vezes no Centro de Educação Ambiental falar sobre a estação, porque lá eles recebem muitos alunos da área de plantas, biologia e etc. E quando trata da meteorologia e temperatura, explico sobre a estação. Então existe um intercâmbio das duas áreas”.

Dessa forma, Nilson Wolff e seus colaboradores, preparam a continuidade do acompanhamento do clima da região. E com os dados históricos que possuem e as frequentes medições, ajudarem as cidades e as suas populações.

Agora que está aposentado da área contábil, Nilson dedica ainda mais seu tempo na climatologia, com medições em Campo Bom, mas também em outras regiões do estado. Pois além de ser uma paixão que leva a vida inteira, é de muita importância para várias cidades e seus habitantes.
No Centro de Educação Ambiental, em Campo Bom, Nilson Wolff também continua com sua colaboração, sempre que convidado comparecendo no local. E também recebe alunos na sua estação, para explicar detalhes do funcionamento e o trabalho que exerce diariamente, envolvendo o clima e as temperaturas.
Além da sua parte teórica, com diversos estudos sobre a climatologia, que envolve temperaturas, climas e eventos naturais, que afetam diretamente a vida de algumas atividades, como: agricultura, comércio, economia, etc., Nilson Wolff também utiliza de sua experiência, para assim acompanhar os registros históricos e ajudar os mais jovens que se interessam por essa área.

Assim, com informações muito confiáveis, ele consegue contribuir para prevenções de furacões, geadas, temporais, secas e entre outras coisas, para alertar a população e servir para estudos dos profissionais que atuam na área.

Texto e fotos: Diego Moraes

Criação de Sites Porto Alegre

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Talvez você se interesse