Dia a dia

Hospital Sapiranga oferece apoio aos pais dos bebês da UTI Neonatal



  •   
  •  

Sapiranga – Oito bebês estão, hoje, internados na UTI neonatal do Hospital Sapiranga. A maioria devido à prematuridade. Junto com eles, ainda que não baixados, mas presentes em cada momento, estão pai e mãe, preocupados e angustiados, mas também aliviados pelo cuidado e pela evolução do quadro de saúde do bebê.

Esses pais recebem um apoio diferenciado da Casa de Saúde. Além de orientação de uma equipe multiprofissional, de médicos, enfermeiros, psicólogas, assistente social e fonoaudióloga, os pais com bebês internados na UTI Neo ainda contam com um Grupo de Apoio, conduzido por estudantes de psicologia todas às segundas-feiras, às 13h15 e quartas-feiras, às 19h45. Para Valdair Kovalski, pai do Pietro, que nasceu com 28 semanas, o grupo é muito importante. “Um tem que dar apoio pro outro.Todos num barco só. É muito emocionante. Uma caminhada”, relata, com os olhos marejados. Elita Herrmann, diretora executiva do Hospital, reconhece a importância de incentivar grupos como esse. “Ter um bebê e este ter de permanecer hospitalizado em uma UTI traz abalos emocionais para toda a família. Como instituição temos que ter um olhar sistêmico. Além do cuidado com o bebê, temos que ter o cuidado com os pais, pois o acompanhamento deles é fundamental para a recuperação do bebê. Restabelecer o vínculo afetivo e redução do estresse causado pela hospitalização”, pontua Elita.

Pietro está na UTI Neo há mais de 60 dias. Grupo de apoio foi importante para toda a família

Valdair e Carla Kovalski estão há 64 dias acompanhando Pietro, que nasceu com 28 semanas, necessitando de todos os recursos da Neo (aparelhos, respirador, tubo). Ambos reconhecem o cuidado com os pais e família neste momento. Foi organizada ainda uma visita do irmão mais velho, de 7 anos, na UTI. Pietro hoje já está mamando no peito e com previsão de alta para esta semana, quinta, 28, ou sexta-feira, 29.


Avós tiveram momento especial na UTI Neonatal

Cada bebê, assim que internado na UTI, já é amamentado com o leite materno. Segundo o hospital, todos os profissionais incentivam o procedimento. Importante salientar que o aleitamento na UTI é diferente, pois as mães devem esgotar o leite para ser ofertado ao recém-nascido, primeiramente, via sonda. Um dos últimos quadros evolutivos do bebê, antes da alta, é o aleitamento diretamente no seio da mãe. Os cuidados com o desenvolvimento físico e biológico do bebê são extremamente importantes, mas, a atenção com o emocional do recém-nascido é sempre lembrado. Além do grupo de apoio aos pais, atendimento individual e acompanhamento de cada um dos casos, o grupo da psicologia organizou, neste ano, a primeira visita dos avós aos bebês internados. Todos os avós receberam um convite especial para visitar os netos. O encontro ocorreu em um domingo e foi emocionante. “Foi muito bonito. A maioria conheceu pela primeira vez, não tinha visto nem por foto. E as enfermeiras disseram que todos os bebês estabilizaram seus níveis de saturação quando os avós começaram a entrar”, conta uma das estudantes de psicologia, responsáveis pelo grupo, Katiele Nunes. Ela também salienta que a intenção é ajudar os pais a se relacionarem com o bebê.

Texto e fotografia: Sabrina Strack

Criação de Sites Porto Alegre

  •   
  •  
  • 1.2K
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Talvez você se interesse