Dia a dia

Moradores relatam problemas elétricos e de água no Porto Verde


  •   
  •  

Vazamentos de água e problemas elétricos entre as principais dificuldades

Sapiranga –  Sapiranga – Moradores contemplados no Residencial Porto Verde, da Cooperativa Coopernova, voltaram a contatar o Repercussão e denunciar o que consideram irregularidades na construção de suas moradias. Entre os problemas mais comuns narrados estão instalações elétricas e tubulações de água com problemas. Há também reclamação sobre a cobrança do quadro de água padrão Corsan. Um dos contemplados enviou vídeo ao Jornal, mostrando uma série de vazamentos que os encanamentos de sua residência possuía, e que ele mesmo, providenciou o conserto. “Designaram dois funcionários da cooperativa para fazer os reparos, mas ambos estão cobrando para isso. Mas, como são muitos moradores cobrando conserto das mais variadas dificuldades, eles argumentam que os reparos podem demorar”, relatou um dos moradores, que não terá a sua identidade revelada.



Outra beneficiada com as casas populares narrou dificuldades semelhantes. “Tivemos que quebrar as paredes e providenciar o conserto por nossa conta. Pagamos R$ 150,00, fora a água que foi perdida com os vazamentos nos encanamentos. Em uma noite, perdemos 500 litros que estavam reservados na caixa d’água. O pedreiro que contratamos para ajustar esses problemas disse que tudo está ocorrendo por falta de cuidado no processo de construção”, disse outra moradora, que está há cerca de duas semanas morando no imóvel.

Joaquim Goulart, presidente da Coopernova, disse que são problemas pontuais e que tudo será resolvido o mais rápido possível, ainda mais agora que o tempo está firme. “No global, é 10% das casas que apresentam problemas. Ocorreu um alagamento, na quadra 5, que foi ocasionado pela quebra de canos de concreto pela equipe que instalou os postes de energia. No aspecto da ligação da rede de água, ou paga R$ 150,00 para uma pessoa abrir a valeta, ou o próprio beneficiário abre a valeta. As caixinhas padrão Corsan, só tínhamos 60 no orçamento, eu disse que ia dar, estou dando essa quantidade. Tem que pagar R$ 50,00. O ambiente é de total harmonia”, conclui.

Caixa Econômica Federal envia nota em que cita notificação da Coopernova
A Caixa Econômica Federal esclarece que a obra do Loteamento Porto Verde, no município de Sapiranga, não foi dada como concluída pela CAIXA. Desde novembro de 2017, com a proximidade do término da obra, foram intensificadas as reuniões com a entidade responsável pelo Loteamento com o objetivo de obter as devidas providências para completa finalização e legalização das obras. Houve evolução em alguns aspectos, mas ainda não foram suficientes para caracterizar completa finalização.


A CAIXA informa que não autoriza a entrega/ocupação das unidades habitacionais sem a devida conclusão das obras, atestada pela área de engenharia do Banco.

Corsan explica
“Antes de começar as ligações, a Corsan reuniu-se com os moradores e a cooperativa. Nessa reunião, ficou acordado que seriam feitas 12 ligações por dia. Assim a Companhia consegue agilizar o atendimento dessa demanda e, ao mesmo tempo, prestar serviços regularmente no restante da cidade. A Corsan está cumprindo o acordo, por vezes fazendo mais de 12 ligações diárias, e deve concluir os trabalhos em até três semanas. O sistema tarifário da Corsan prevê um desconto no preço da ligação de água sempre que o interessado fornecer abertura e fechamento de vala. Quando isso ocorre, a contratação do serviço de abertura e fechamento de vala é de responsabilidade exclusiva do interessado, sem qualquer interferência da Companhia.”

 

Criação de Sites Porto Alegre

  •   
  •  
  • 94
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Talvez você se interesse